Estudos para crianças

31
out

A Tentação – Parte 4

*Estudo para células referente aos dias 31/10 a 06/11

                      .

Recepção: Receba seus discípulos com carinho, incentive que todos se abracem na chegada, conheça os visitantes, incentive a trazerem seus amigos para compartilharem desta comunhão.

Momento de oração: Ore para o Espírito Santo capacitar cada criança no entendimento desta lição, agradeça a Deus, abençoando aos presentes, suas famílias e os que faltaram. Ore pela cadeira vazia e pela lista de amigos.

Captando a atenção: Estabeleça um diálogo inicial, ele será muito importante para o entendimento desta Palavra:

– Qual é a sua idade? Você tem idade suficiente? (Deixe que eles respondam)

– Idade suficiente para quê? – (podem perguntar e esta é a pergunta chave)

Explique: Vamos dizer que você queira dirigir um carro. A lei diz que você com 18 anos tem idade suficiente.

Vamos supor que você queira votar. A idade suficiente é 16 anos.
Vamos supor que você queira receber INSS. Você terá de esperar até quando tiver uns 60 anos.
Então, quando é que você tem idade suficiente?

Provavelmente seus pais já falaram um zilhão de vezes que você não tem idade suficiente para isto ou aquilo, mas nunca explicaram qual é a “idade suficiente”. Cinco? Dez? Dezesseis? Qualquer outra? Não importa, pois, a questão é outra:

A Palavra de Deus nos diz: “Ele comerá manteiga e mel quando souber desprezar o mal e escolher o bem.” Isaías 7:15
Até mesmo a criança mais nova entende que algumas coisas são certas e outras são erradas, mas a questão não é: “Está certo ou errado?” Essa é bem óbvia. A pergunta deve ser: “Estou fazendo a coisa certa?” Em outras palavras… se você tem “idade suficiente”, você cresceu o suficiente para fazer o certo. É isso que realmente importa.

Introdução: Estes dias, passando pela rua, encontrei um filhotinho de sabiá caído no chão. Ele havia caído do seu ninho, que estava no alto de uma árvore.
Ao olhar para aquele bichinho, tão pequeno e indefeso, que ainda não se alimenta só e nem sabe, sequer, voar, pensei em quantas vezes nós nos deixamos levar pela tentação da pressa, de querer fazer tudo do nosso jeito e o mais rápido possível, sem ouvirmos os conselhos dos nossos pais, discipuladores, pastores, professores etc. E acabamos como aquele pequeno sabiá que tentou sair do ninho antes da hora, sem nem sequer saber voar, e acabou ficando sozinho e perdido.

Satanás tem uma arma muito eficaz contra nós, principalmente quando queremos ser iguais à turma da Escola, que é “antenada”, “ligada” nas coisas ‘boas’ do mundo, levando-nos a querer ser adulto antes do tempo. E aí, como o sabiazinho, ainda não sabemos realmente nos cuidar e, no final das contas, acabamos em uma bela enrascada.

Preste atenção nas propagandas, filmes, novelas e você verá que as crianças não agem mais como simples crianças: namoram, saem sozinhas, vestem-se como adultos, falam como adultos, como se isso fosse correto, normal para todos.

A Bíblia diz que há um tempo para tudo debaixo do céu (Ec 3:1-8) e que Deus fez tudo formoso em Seu tempo (Ec 3:11a). Então, há um tempo para sermos crianças e vivermos como crianças, e haverá o tempo de nós crescermos e vivermos a fase de adolescente, jovem, adulto, até o momento que o Senhor nos chamar para estar com Ele na glória. Então, para quê tanta pressa?

Jesus disse, em Marcos 10:15 que quem não receber o Reino de Deus como uma criança, não poderá entrar nele. Não deixe que o seu coração de criança fique sujo com os incentivos do mundo; não perca a sua inocência.

Quem disse que você precisa ser igual aos seus colegas? Quem disse que, para você ficar bonita, tem que andar vestida com as roupas da moda: as calças coladas, os decotes enormes, as saias curtíssimas e com essa maquiagem tão carregada? Isso a faz parecer mais velha, não mais bonita. O que torna um rosto formoso é a alegria que o Senhor coloca em nosso coração (Pv 15:13). Use essa arma poderosa da Palavra e você não se deixará vencer por essa tentação.

E o namoro? Quem disse que criança deve namorar? “Ah! Mas todos os meus amigos já têm namorado! E eu vou ficar pra trás?” Ou ainda: “Mas, na televisão, na novela tal, as crianças até se beijam e andam de mãos dadas. Qual é o problema? Por que só eu não posso?” Lembra do filhotinho de sabiá, que mesmo sem saber voar tentou sair do ninho e caiu? Assim como ele, você não está ainda pronto para esse voo. Há um tempo para tudo e para isso também, e, no tempo de Deus, tudo é perfeito e formoso. Espere! Vale a pena. Seja apenas criança. Aproveite todas as alegrias que vida pode lhe dar. Corra, pule, dance, estude, ria, divirta-se, em santidade. Não se deixe vencer por essa tentação, pois você já tem a arma preparada para se defender.
Conclusão: E no dia que você estiver pronto para voar, no tempo que Deus preparou para você, fique certo que você voará como a águia e terá o melhor de Deus na sua vida. Espere!

Reflita: Como falamos no início, a maioria das escolhas entre o certo e o errado que você encara na vida são bem simples e óbvias. Mas você tem alguma pergunta sincera sobre alguma ação que não sabe se é certa ou errada? Se tiver, fale com alguém (pais, pastor, o líder) o mais rápido possível.

Atividade: Vamos fazer uma Casa de Pássaros bem linda (Clique aqui para ver o esquema)

Ore: “Senhor, ajuda-me a estar alerta para as escolhas que eu tenho de fazer. Ajuda-me a lembrar que eu tenho idade suficiente para fazer as escolhas certas”.

    

Fonte: Monte Sião

28\10\2016

17
out

A Tentação – Parte 2

*Estudo para células referente aos dias 17/10 a 23/10

 

Recepção: Receba seus discípulos com alegria, conheça os visitantes, incentive a trazerem seus amigos para compartilharem desta comunhão.

Momento de oração: Ore e agradeça a Deus, abençoando aos presentes, suas famílias e os que faltaram. Ore pela cadeira vazia e pela lista de amigos.

Cânticos e Oferta

Captando a atenção: Brincadeira:

Princípio Bíblico: “… antes, com a tentação dará o escape, para que a possais suportar.” (I Co 10:13)

Introdução: Semana passada vimos que Jesus foi tentado por Satanás no deserto e o venceu através da Palavra. Descobrimos que Satanás procura nos pegar nas coisas que mais necessitamos ou gostamos, por isso tentou Jesus com pão no momento da fome. Afinal, não sentimos desejo de fazer algo que não gostamos, não é verdade? Se você estiver com muita fome, o que lhe tentará: um prato de comida quentinha, gostosa e cheirosa ou um lindo brinquedo?

Mensagem: Mas Paulo diz, em I Coríntios 10:13, que não há tentação alguma que não possamos vencer, porque quem nos dá a saída é o Senhor Deus. E, por maior que seja a tentação, ela não é maior que nossas forças, pois estamos firmes nos princípios do Senhor.

Vamos ver algumas coisas que nos tentam e encontrar a resposta certa para cada uma delas? Se você usar as armas que agora vamos conhecer, com certeza o inimigo baterá em retirada da sua frente, pois ele sabe que a ferramenta que Deus preparou contra ele, na sua boca, é poderosa para vencê-lo. Amém?

Quando você faz alguma coisa errada e sabe que será disciplinado, imediatamente você é tentado a quê? A MENTIR, não é mesmo? Pensamos que se não descobrirem nosso erro não seremos castigados. Para essa tentação, existe uma arma na Palavra de Deus.

João 8:44 diz que o pai da mentira é o diabo. Então, quando você for tentado a mentir, declare que você não é filho do diabo, mas filho do Deus Altíssimo, por isso a mentira não faz parte da sua vida. Colossenses 3:9 diz que não devemos mentir pois já somos novas criaturas e nos despimos do velho homem. Se você guardar essas armas no seu coração e usá-las no momento certo, certamente você escapará dessa armadilha do inferno, ok?

E o medo? Satanás sabe que o medo nos impede de crescer e nos paralisa. Medo do escuro, de ficar só, de falar na frente dos outros, de… Você tem medo? Quer uma arma para vencê-lo: veja II Timóteo 1:7 que diz: Deus não nos deu espírito de medo, temor, mas de fortaleza. E em I João 4:18 diz que o verdadeiro amor (Jesus Cristo) lança fora todo medo.

Então, quando o medo quiser dominá-lo, declare que você está firmado no verdadeiro amor que lança fora todo medo e que tem espírito de ousadia, que lhe foi dado por Deus, amém?

Mas preste atenção: não basta só falar, é preciso crer que a Palavra é poderosa para surtir seus efeitos em sua vida e fazê-lo muito mais que vencedor sobre toda tentação, amém?

 

 

Fonte: Monte Sião

14\10\2016

14
out

A Tentação – Parte 1

*Estudo para células referente aos dias 10/10 a 16/10

 

Recepção: Receba seus discípulos com alegria, conheça os visitantes, incentive a trazerem seus amigos para compartilharem desta comunhão.

Momento de oração: Ore e agradeça a Deus, abençoando aos presentes, suas famílias e os que faltaram. Ore pela cadeira vazia e pela lista de amigos.

Cânticos e Oferta

Captando a atenção: Brincadeira

 

Princípio Bíblico: “Vai-te satanás, porque está escrito: Ao Senhor teu Deus adorarás e só a Ele servirás.” Mateus 4:10

Introdução: No estudo anterior falamos sobre o amigo. E em João 15:14, Jesus diz que seremos Seus amigos se fizermos aquilo que Ele nos manda. E o que Ele nos manda? Que nós estejamos firmados n’Ele, obedecendo aos Seus mandamentos, aos princípios que Deus estabeleceu para nós.

Mensagem: Andar em obediência a Deus é andar em santidade, longe do pecado. E Satanás, nosso inimigo, procura sempre uma forma de nos atrair para cairmos em tentação. Seu desejo de ver o homem na lama do pecado é tão grande que ele tentou até mesmo Jesus no deserto. Vamos ver o que aconteceu:

 

Em Mateus 4:1-11 vemos que Jesus foi levado pelo Espírito Santo ao deserto e lá passou 40 dias em jejum. Quando Satanás percebeu que o homem Jesus encontrava-se muito debilitado, afinal estava há 40 dias ser comer e sem beber, achegou-se a Ele e o tentou através da fome dizendo-lhe: Se tu és Filho de Deus, manda que estas pedras se transformem em pão (Mt 4:3,4). Jesus, embora enfraquecido, sabia que Sua força estava no Senhor e respondeu: Nem só de pão viverá o homem, mas de toda palavra que sai da boca Deus. Jesus poderia transformar pedras no que quisesse, afinal é o Filho do Deus Todo-Poderoso e n’Ele está todo o poder e autoridade, mas, se assim o fizesse, estaria cedendo à tentação de Satanás.

Vendo que a primeira armadilha não tinha dado certo, levou-o ao alto do templo, em Jerusalém, e tentou-o, desta vez usando a própria Palavra de Deus, dizendo-lhe: Se tu és Filho de Deus, lança-te daqui abaixo, porque está escrito: Aos seus anjos dará ordens a teu respeito, e tomar-te-ão nas mãos, para que não tropeces em nenhuma pedra. Muito astuto não é mesmo? Usar o Pai para tentar o Filho. Mas Jesus foi ainda mais esperto e respondeu: Também está escrito: Não tentarás o Senhor, Teu Deus.

E como satanás, além de um derrotado, ainda é insistente, levou Jesus ao monte mais alto e de lá lhe mostrou todos os reinos do mundo e a glória deles e disse: Tudo isso te darei se prostrado me adorares. E Jesus disse-lhe: Vai-te satanás, porque está escrito: Ao Senhor adorarás e só a Ele servirás. Então satanás se retirou e os anjos do Senhor O serviram.

Você pode estar pensando: por que satanás ofereceu a Jesus o poder e a glória dos reinos do mundo se todo poder e toda glória pertencem ao Senhor? Em Lucas 4:5, quando fala sobre a tentação de Jesus, Satanás diz que tudo na terra foi entregue a ele. Quando? Quando o homem pecou, quando no Jardim do Éden Adão e Eva desobedeceram a Deus e permitiram que a serpente do pecado os enganasse. Satanás se tornou o príncipe deste mundo (Jo 12:31; 16:11).

 

Conclusão: O que podemos aprender com isso?

1. Todos nós somos tentados. Diariamente as tentações batem à nossa porta: preguiça, desobediência aos pais e líderes, mentira, palavrões, inveja, orgulho, fofoca, namoro, etc.

2. Temos a arma para vencer a tentação: a Palavra de Deus. Foi com ela que Jesus venceu a Satanás. Lembre-se: ela é mais poderosa que qualquer espada de dois gumes (Hebreus 4:12).

3. Quando vencemos, enchemos o coração do Pai de alegria e envergonhamos ao diabo, pois quando vencemos, em nós é cumprida a Palavra do Senhor de que em tudo somos mais do que vencedores (Romanos 8:37).

 

Fonte: Monte Sião

07\10\2016

27
set

Jesus, meu Senhor e Salvador

*Estudo para células referente aos dias 26/09 a 02/10

Texto-base: I Sm 3; 16:1-13 / I Rs 3 / II Cr1:1-13 / Sl 139 / Is 7:14; 25:8; 42:1 / Jr 1:5; 23:5 / Mt 1:18-25 / Lc 1:26-38 / Jo 3:3.

 

Confia no Senhor de todo o teu coração.

Alguma vez você já parou para olhar para o céu, para o rio Negro ou para o mar? Já tentou imaginar quantas estrelas tem no céu? Quantos planetas existem no imenso Universo que nos cerca? Já pensou nos bilhões de pessoas que existem neste planeta, entre tantos continentes, países?

Que imensidão, não é mesmo? Vamos pensar mais um pouquinho: como você acha que Deus lhe vê no meio de toda essa multidão? Ele lhe conhece? Sabe o seu nome? O que você sonha? O que você precisa? O que você fala ou pensa?

 

Quero lhe dizer que mesmo no meio de toda essa multidão, Deus lhe conhece de uma maneira muito particular. Ele sabe o seu nome, onde você mora, o que você pensa, fala, sonha. É fantástico, mas a Palavra diz que mesmo quando você ainda estava na barriga da sua mãe, Ele já lhe conhecia (Salmo 139). E, ainda ali, Ele já o tinha santificado (Jeremias 1:5) e preparado para você uma vida em abundância. Isso não é maravilhoso?

 

Temos estudado nesses dias que desde a criação do mundo o Senhor tem um desejo: que o homem, Sua obra-prima da criação, Sua imagem e semelhança, o ame, o obedeça e seja feliz. Mas o homem, usando o direito que lhe foi dado por Deus, decidiu desobedecer ao seu Criador, abrindo, assim, um abismo entre Criador e criatura (Deus X homem). Mesmo assim, durante séculos, o Senhor vem trabalhando para trazer de volta à Sua presença, o Seu filho, a Sua criação. Para isso, um povo foi levantado na Terra e conduzido a um lugar especial: Canaã, a terra da fartura, onde há leite e mel em abundância. Grandes homens, tementes e obedientes ao Senhor, empenharam suas vidas nessa caminhada, até chegarmos a Josué.

Mesmo na terra prometida, o Senhor levantou outros homens para governar o Seu povo, entre eles Davi, o grande adorador, o salmista que sabia como ninguém entrar na presença do Pai com cânticos de adoração, e ficou conhecido como o homem segundo o coração de Deus. Outro grande homem foi Salomão, filho de Davi, que pediu a Deus algo muito especial: sabedoria (II Cr 1:7-12). Muitos juízes e sacerdotes foram colocados sobre o povo para lhes dar direção. Mas o povo, de vez em quando, esquecia das grandezas, prodígios e maravilhas que o Senhor tinha feito diante dos olhos deles. A murmuração fez com que perdessem muitas bênçãos e fossem, muitas vezes, feitos prisioneiros por outras nações, tendo suas casas e famílias destruídas.

 

Mas nada impediu que o Senhor prosseguisse no Seu plano para nos trazer de volta à Sua presença. E então, Ele toma o que tem de mais precioso no Universo: Seu próprio Filho, uma parte de Si mesmo, e o manda à Terra para o maior de todos os sacrifícios, a morte na cruz para termos os nossos pecados perdoados, e através da Sua ressurreição, recebermos a vida eterna.
Veja que maravilha!! Veja que amor tão grande, que é capaz de, no meio de uma multidão, olhar particularmente para cada um de nós. Mesmo sendo pecadores, não merecedores da Sua graça, Ele nos diz: “Filho amado, não desisti de você e nem esqueci de cada promessa que Eu fiz a teu respeito. Estou enviando o Meu Filho amado para cumprir o plano de resgate da tua vida. A única coisa que Eu te peço é que creias que Ele é Aquele a quem Eu enviei, recebe-o no teu coração, confia n’Ele e obedece a tudo o que Ele te ensinar. Se fizeres isso, terás o Meu reino e a vida eterna.”

Você pode imaginar Deus falando isso ao seu coração? Essa é a proposta que Ele lhe faz todos os dias, batendo à porta do seu coração (Apocalipse 3:20).
Jesus, o Filho de Deus, já veio, já morreu na cruz. O plano de Deus para resgatar você foi cumprido. E agora? Você quer aceitar o presente da salvação que lhe foi dado por meio d’Ele? Você quer viver a vida em abundância que Ele lhe prometeu e ser muito mais que vencedor em Cristo Jesus? Não depende mais de Deus, só depende de você!!!

O sonho de Deus e dos seus pais é que você seja vitorioso, bem-sucedido em tudo, feliz, alegre; que a sua vida traga impacto a quem lhe vê, que deixe uma marca positiva em todas as pessoas que conviverem com você. Você é alguém muito especial, uma criança que carrega dentro de si a vida de Deus e um futuro adulto que, através do seu testemunho, mudará a história desta nação, da igreja, da sua casa.

Deus sonha com você para fazer parte da geração santa, do sacerdócio real, de um povo eleito para viver na Sua presença todos os dias da sua vida, sem medo, nem enfermidades, pobreza, ruína, violência, fome, corrupção, miséria, adultério, prostituição, divórcios, abandono de crianças, etc. Você aceita? Então seja bem-vindo ao Reino de Deus!

 

 

 

Fonte: Monte Sião

23/09/2016

1
ago

Moisés e o Povo em Direção a Canaã

*Estudo para células referente aos dias 01/08 a 07/08

 

Textos-base: Nm 10:29; 12:3; 20:10; 31:03 / Dt 33:01; 34:05 / Mt 17:03; 4:7 / At 7:22 / Hb 11:24.

 

“Por que clamas a Mim? Dize aos filhos de Israel que marchem” (Êxodo 14:13)

O Senhor deu a Moisés a tarefa de tirar os israelitas da escravidão do Egito, porque Seu plano para todos nós é que tenhamos liberdade, que sejamos livres para lhe prestar o puro e perfeito louvor.
Após o último sinal no Egito, que foi a morte dos primogênitos, faraó permitiu que o povo saísse. Assim, celebrada a primeira Páscoa, o povo juntou todas as suas coisas e partiu, juntamente com Moisés, para o deserto. Em Êxodo 13:21-22 podemos ver o cuidado e a fidelidade de Deus para com o Seu povo escolhido: “E o Senhor ia adiante deles, de dia numa coluna de nuvem, para os guiar pelo caminho, e de noite numa coluna de fogo, para os alumiar, para que caminhassem de dia e de noite. Nunca tirou de diante da face do povo a coluna de nuvem, de dia, nem a coluna de fogo, de noite”.

Faraó arrependeu-se de ter deixado o povo ir e enviou seu exército atrás dele. Quando os israelitas viram o grande exército dos egípcios que vinha atrás, começaram a questionar Moisés, a reclamar por terem saído do Egito. Moisés os admoestou a confiar em Deus, pois Ele os livraria e pelejaria por eles. O Senhor disse a Moisés que mandasse o povo marchar e que ele levantasse sua vara sobre o mar para que o povo passasse. E assim Moisés fez. Ao estender a vara e tocar as águas, estas se abriram e o povo passou pelo meio do mar, a pés enxutos. Ao chegarem ao outro lado, Moisés, novamente, tocou as águas que voltaram a se fechar, tragando todos os soldados e seus cavalos (Ex 14).
Moisés louvou ao Senhor pelo Seu grande feito e Miriã, sua irmã, dançou na presença do Senhor (Ex 15).

Durante todo o tempo que o povo passou no deserto, não lhe faltou o pão diário, pois o maná caia do céu todos os dias em quantidade necessária para cada um (Ex 16:4,5); quando o povo começou a reclamar que queria, também, carne, pois estavam enjoados só de maná, o Senhor enviou codornizes (Ex 16:13); quando a água estava amarga, o Senhor a tornou doce, para que bebessem (Ex 15:25).

Deus chamou Moisés ao Monte Sinai. Por vários dias Moisés permaneceu no Monte, em completa intimidade com o Senhor. Ali Ele lhe deu as Tábuas da Lei, as instruções para que construísse o Tabernáculo, pois o Senhor queria agora morar no meio do Seu povo.
Vendo o povo que Moisés demorava, a raiz de idolatria que traziam do Egito levou-os a fazer um bezerro de ouro, dizendo a Arão: “Levanta-te, faze-nos deuses que vão adiante de nós, porque quanto a este Moisés, a este homem que nos tirou da terra do Egito, não sabemos o que lhe sucedeu” (Ex 32:1).
O Senhor irou-se e disse a Moisés que iria destruir aquele povo, mas não o fez, pois Moisés intercedera por ele. Mas, ao chegar ao acampamento e encontrar o bezerro de ouro e o povo cantando e dançando para ele, acendeu-se o furor em Moisés, a tal ponto, que jogou ao chão as preciosas Tábuas escritas por Deus com os mandamentos e mandou matar todos os idólatras (Ex32).

 

Moisés era um homem que tinha intimidade com Deus. O Senhor falava com ele face a face, e fazia grandes coisas através dele, como abrir o Mar Vermelho, tirar água de uma rocha, etc. O seu rosto brilhava intensamente com a presença de Deus (Ex 34:29). Apesar de tudo isso, o povo ainda duvidava do cuidado de Deus e da autoridade do seu líder. Murmuravam de tudo, embora a nuvem não saísse de sobre eles de dia, nem faltasse a coluna de fogo à noite; embora não lhes faltasse alimento, nem água; embora suas roupas não se gastassem nem suas sandálias ficassem pequenas. Por causa disso, sua passagem pelo deserto, que duraria apenas 40 dias do Egito até Canaã, prolongou-se por 40 anos.
Deus quer cuidar de nós em todos os momentos da nossa vida. Quer ser a nossa cobertura diária, a nuvem de proteção sobre nós, o nosso sustento e a nossa guarda. O Seu plano para nós é que sejamos dependentes d’Ele em tudo. Salmo 23:1 diz que Ele é o nosso bom pastor e que nada nos faltará. Só precisamos crer nisso e seremos supridos em tudo, amém?

 

 

Fonte: Monte Sião

29\07\2016

31
jul

Moisés, o Libertador

*Estudo para células referente aos dias 25/07 a 31/07

 

Textos-base: Nm 10:29; 12:3; 20:10; 31:03 / Dt 33:01; 34:05 / Mt 17:03; 4:7 / At 7:22 / Hb 11:24.
No seu plano de resgatar o homem para Si, Deus levantou homens na terra para, a partir deles, formar um povo escolhido, santo e temente a Ele.

Vimos como Ele operou na vida de José e como Israel se estabeleceu no Egito.

Com o passar do tempo, faleceu José e toda a sua família, mas os israelitas aumentaram muito, se multiplicaram e se fortaleceram, de maneira que a terra se encheu deles (Ex. 1:7).
O novo rei do Egito, que não conheceu José, preocupado com o crescimento dos israelitas, tornou-os escravos aumentando sua carga de trabalho. Ao ver que mesmo assim continuavam crescendo, ordenou as parteiras que todo menino hebreu que nascesse fosse morto (Ex. 1:9-22). Uma mulher deu à luz um menino e o escondeu por três meses. Depois o colocou dentro de um cesto e o largou no rio. A filha de Faraó o encontrou e o criou como filho, dando-lhe o nome de Moisés que quer dizer tirado das águas (Ex. 2:1-10). Moisés tornou-se homem, saiu do Egito e, um dia, quando apascentava o rebanho de seu sogro, viu um arbusto que estava coberto de chamas. Ao aproximar-se, viu que o arbusto não se consumia. Ali ouviu, pela primeira vez a voz do Senhor, que o mandava voltar ao Egito para libertar o seu povo.

Moisés, a princípio, recusou-se por se achar incapaz, mas o Senhor, o grande Eu Sou, deu-lhe poder para falar e agir conforme a Sua palavra (Ex.4). Faraó tinha o coração endurecido e não queria libertar o povo. Então o senhor enviou 10 pragas sobre o Egito: 1. as águas se transformaram em sangue; 2. as rãs; 3. os piolhos; 4. as moscas; 5. a peste dos animais; 6. as úlceras; 7. a chuva de pedras; 8. os gafanhotos; 9. a escuridão; 10. a morte dos primogênitos (Ex. 7, 8, 9, 10, 11).

O Senhor chamou a Moisés e Arão (seu irmão) e lhes deu instruções específicas para que o anjo da morte não entrasse na casa dos israelitas: cada família tomaria um cordeiro, sem defeito. Seu sangue seria passado nos umbrais das portas e eles comeriam a carne assada no fogo, juntamente com pães sem fermento e ervas amargas. Eles deveriam comê-lo vestidos e com as sandálias nos pés. Foi assim, instituída a Páscoa do Senhor, para seu memorial e celebrada por estatuo perpétuo (Ex.12). Assim fez Moisés e o povo celebrando a primeira Páscoa e tirando o povo da escravidão do Egito.

O sangue nas portas era a proteção contra o anjo da morte que viria naquela noite. A obediência a essa ordem significa a proteção divina a cada família de hebreus e seus primogênitos. Quando o destruidor passasse, ao ver o sangue, passaria por sobre essas casas.

Deus queria ensinar ao Seu povo a importância da obediência e da redenção pelo sangue, preparando-o para a vinda do Cordeiro de Deus, Jesus Cristo.

O plano de Deus para nós é que Sua graça salvadora, que tirou Israel do Egito, seja real sobre nós hoje. Ele nos ama a tal ponto que deu o Seu próprio filho para morrer na cruz e nos livrar dos nossos pecados. O sangue derramado por nós foi o do próprio Cristo, o Cordeiro de Deus, que se entregou em sacrifício por nós na cruz, para que possamos entrar na presença do Pai, alvos como a neve, e nos deleitarmos em sua doce presença como Seus filhos.

 

  

 

Fonte: Monte Sião

22\07\2016

16
mai

Israel – Caminhando para Deus

*Estudo para células referente aos dias 16/05 a 22/05

 

Textos-base: Gn 28; 29; 30; 31; 32; 33; 35

 

Jacó fugiu de sua casa e foi para Padã-Arã, terra de sua mãe e de seu tio Labão. Lá conheceu Raquel, filha caçula de Labão, que era muito bonita. Jacó a pediu em casamento e por ela trabalhou 7 anos. Ao final deste tempo, Jacó pediu a Labão sua esposa, pela qual havia trabalhado o tempo que fora combinado. Labão preparou um grande banquete para celebrar o casamento e, ao final da festa, levou sua filha mais velha, Lia, que tinha um problema nos olhos, e a entregou a Jacó, que só veio perceber o engano na manhã do outro dia. Ao reclamar ao sogro, este lhe respondeu que, em sua cultura, não se podia casar a filha mais nova antes da mais velha (Gn 29:26). Como Jacó amava muito a Raquel, para tê-la como esposa concordou em trabalhar ainda mais sete anos (Gn 29:27).
Você já ouviu falar da “lei da semeadura”? Ela diz que tudo o que você plantar você vai colher. Então, se plantou coisas boas, vai colher coisas boas, mas se plantou coisas ruins, infelizmente, vai colher coisas ruins. Jacó plantou a mentira, o engano e a traição, quando enganou seu pai e seu irmão, e colheu exatamente a mesma coisa, quando trabalhou por uma esposa e recebeu alguém a quem não amava.
Jacó viveu muitos anos nas terras de Labão, até que, após muitos outros enganos, resolveu que era tempo de voltar para a terra de seus pais e reconciliar-se com seu irmão. E assim o fez. Tomou suas mulheres e seus filhos, todos os bens que havia adquirido em Padã-Arã e empreendeu viagem de volta à casa do pai. Numa noite em que ficou sozinho, Jacó teve uma experiência sobrenatural: teve um encontro com Deus, e neste encontro algo maravilhoso aconteceu. Seu nome foi mudado por Deus e a sua vida nunca mais foi a mesma. De mentiroso, enganador, usurpador, Jacó passou a ser Israel, pois o Senhor lhe disse: Já não te chamarás Jacó e sim, Israel, pois como príncipe lutaste com Deus e com os homens e prevaleceste (Gn 32:28).

Você sabe o que quer dizer Israel? Quer dizer indo para Deus, caminhando para Deus ou povo que caminha com Deus.

Deus tem um plano para cada um de nós: que caminhemos com ele, andemos sempre com Ele, nos movamos em direção a Ele, pois Ele é Aquele que nos criou à Sua imagem e à Sua semelhança, para sermos muito mais que vencedores em tudo o quanto fizermos. Ele quer que sejamos o Seu Israel, que tenhamos um encontro real com Ele e tenhamos a nossa vida mudada por Ele, que é o Grande Eu Sou. Jacó experimentou esse milagre e tornou-se Israel.

Como podemos ter esse encontro tão maravilhoso que mudou definitivamente a vida de Jacó, marcando-o para sempre? Como podemos ter a nossa vida mudada? Como podemos ser o Israel de Deus nesta terra?

É simples! Só precisamos deixar Jesus entrar em nosso coração, entregar a Ele a nossa vida e deixar que ele nos dirija em tudo o que fizermos.
Você gostaria de experimentar essa maravilha? Então abra agora a sua vida, a porta do seu coração, entregue-se ao Senhor e, assim como Ele mudou a vida e a história de Jacó, fazendo dele um homem próspero e bem-sucedido, que marcou a história de uma Nação, mudará a sua também. E mais, Ele nos promete que fará em nossas vidas muito além daquilo que pensamos ou do que imaginamos. Então, o melhor que você pensa para você, para o seu futuro, é pequeno diante dos projetos de Deus para você.
Aproveite!! Não perca essa chance!

 

 

FONTE: Monte Sião

13\05\2016

9
mai

Esaú e Jacó: a bênção perdida

*Estudo para células referente aos dias 09/05 a 15/05

Textos-base: Gn 21; 25:20-34; 27

Você lembra que Deus havia dado uma promessa a Abraão, que este teria uma descendência tão numerosa quanto as estrelas do céu e a areia do mar, e que seria pai de numerosas nações? (Gn 15:17)

 Sara, esposa de Abraão, era estéril. Você sabe o que é estéril? É alguém que não pode ter filhos. Além do mais, eles já eram muito idosos. Isso fez com que Sara duvidasse da promessa do Senhor.
Visitou o Senhor a Sara, cumprindo a Sua promessa (Gn 21:12) e ela deu à luz um filho, que recebeu o nome de Isaque, pois veio trazer riso aos seus pais. Tinha Abraão a idade de 100 anos.
Isaque cresceu e casou-se com Rebeca, que era estéril como Sara. Isaque orou ao Senhor e Rebeca ficou grávida de gêmeos, dando à luz dois meninos: o primeiro era cabeludo e ruivo e recebeu o nome de Esaú; o segundo chamou-se Jacó e nasceu segurando o calcanhar de seu irmão.
Esaú e Jacó eram muito diferentes um do outro. Esaú era caçador e gostava de estar no campo, enquanto Jacó era tranquilo e gostava mais de estar em casa. Isaque amava mais a Esaú, enquanto Rebeca amava mais a Jacó.
Segundo a cultura hebraica, o filho mais velho tem o direito da primogenitura, de receber bênção maior que o irmão mais novo. Jacó, apesar de ser o mais novo, queria esse direito. Um dia, Jacó fez um guisado muito apetitoso e quando Esaú chegou do campo, cansado e faminto, pediu-lhe um pouco daquela comida. Jacó aproveitou a oportunidade e disse-lhe que daria a comida se ele vendesse o direito da sua primogenitura. A fome falou mais alto e Esaú aceitou o negócio. Assim, Esaú desprezou o seu direito de primogenitura, perdendo a bênção.
Quando Isaque estava bastante velho, já não enxergava mais, chamou Esaú, seu filho mais velho e pediu-lhe que apanhasse uma caça e lhe fizesse uma comida bem saborosa, pois queria abençoá-lo antes de morrer. Rebeca ouviu a conversa, chamou Jacó, mandou que ele pegasse dois cabritos e fez uma comida muito gostosa. Depois vestiu o filho com a melhor roupa de Esaú, colocou sobre suas mãos e pescoço a pele do cabrito, para que ficasse com cheiro de caça e lhe disse para levar a comida e o pão a Isaque, fingindo ser seu irmão, a fim de receber a bênção. Jacó foi, e como seu pai já estava muito debilitado e cego, não percebeu o engano e abençoou José com a bênção de Esaú. Quando Esaú chegou e descobriu o engano do irmão, odiou a Jacó e prometeu matá-lo (Gn 27). Por causa disso, Jacó teve que ir embora de sua casa.

Vamos pensar um pouco sobre essa história:

O plano de Deus para nós é que todos sejamos abençoados, tenhamos uma vida santa, em intimidade com Ele, que sejamos prósperos e cheios da Sua vida. Para isso, desde que o homem pecou no Jardim do Éden, Deus vem levantando na terra homens obedientes a Ele, que O temem e O amam, para formar um povo santo, destemido e temente a Ele. Levantou a Noé, depois a Abraão e continuou o Seu projeto com Isaque, que gerou Esaú e Jacó. Esaú perdeu a bênção por ter dado mais valor a um prato de comida do que ao que Deus lhe tinha dado por ser o primogênito (filho mais velho).

Muitas vezes agimos como Esaú. Damos mais valor às coisas do mundo do que às bênçãos que Deus preparou para nós. Gostamos mais de ir ao Shopping, ao cinema, brincar com os amigos, do que estar com o Senhor, ir ao culto, ler a Bíblia, orar. Se quisermos ser bem-sucedidos em tudo o que fizermos, se quisermos ser homens e mulheres de êxito, abençoados, não podemos ser como Esaú, que preferiu a comida à bênção, e nem como Jacó, que enganou a seu pai e a seu irmão para receber a bênção, tendo que fugir e passar muitas situações difíceis.

FONTE: Monte Sião

06\05\2016

18
abr

Abraão, um Homem de Fé

*Estudo para células referente aos dias 18/04 a 24/04

 

Textos-base: Gn 11:27-31; 12:11; 13:1,12; 14:14; 15:1; 16:3; 17:1; 18:10; 20:1; 21:2; 22:1; 23:2; 24:1; 25:1,8; II Cr 20:7; Ne 9:7; Sl 105:6; Rm 4:3; Gl 3:6; Hb 11:8; Tg 2:21

O Senhor estabeleceu com Noé e sua família uma aliança (Gn 6:18). Mas mesmo depois do dilúvio o coração do homem não se voltou para Deus e o pecado continuou crescendo na terra.

O Senhor então buscou um outro homem, com quem pudesse começar uma Nação santa e temente a Ele. Encontrou Abrão, filho de Terá, de Ur dos Caldeus, casado com Sarai, e deu-lhe uma ordem: “Sai da tua terra, da tua parentela e da casa de teu pai, para a terra que te mostrarei. Farei de ti uma grande nação, e te abençoarei, e te engrandecerei o nome e tu serás uma benção. Abençoarei os que te abençoarem e amaldiçoarei os que te amaldiçoarem; e em ti serão benditas todas as famílias da terra” (Gn 121:1-3).

Aos 99 anos de idade Abrão teve o seu nome mudado por Deus para Abraão, que significa pai de muitas nações. Também Sarai, sua esposa, teve a sua identidade mudada, passou a chamar-se Sara e recebeu do Senhor a promessa de ser mãe de nações.

Abraão é conhecido como o pai do povo escolhido.

Veja só, apesar do pecado do homem, Deus mesmo busca na terra alguém que O tema, que Lhe seja obediente, para, através dele, resgatar a Sua criação, trazê-la de volta para Si, nunca desistindo do homem.

Abraão tinha algumas características que precisamos desenvolver em nós:

1- Abraão era obediente (Gn 12:4) -> Quando Deus o mandou deixar a sua casa, seus parentes, seus amigos, para seguir ruma a uma terra que ele não conhecia, andando somente debaixo da direção do Senhor, Abraão não hesitou, tomou sua esposa, seu sobrinho e obedeceu ao chamado recebido.

2- Abraão era generoso (Gn 13:9) -> Quando ele e seu sobrinho Ló começaram a ter dificuldades em relação aos seus empregados, seus rebanhos, Abraão permitiu que Ló escolhesse a terra que quisesse ocupar, ficando com a parte seca e estéril.

3- Abraão era corajoso (Gn 14:14) -> Quando Ló foi feito refém em uma guerra entre reis, Abraão reuniu 318 homens e perseguiu os reis, trazendo volta Ló e todos os bens que foram roubados.

4- Abraão era um homem de oração (Gn 18:23-33) -> Quando o Senhor decidiu destruir Sodoma e Gomorra (cidades em que os homens eram pecadores, não temiam a Deus), Abraão intercedeu diante Dele pelos justos que ali havia. Abraão tinha intimidade com Deus e conversava sempre com Ele.

5- Abraão era um homem de fé (Hb 11:17) -> Quando Deus pediu a Abraão que sacrificasse seu filho Isaque, ele não desobedeceu à ordem recebida. Tomou seu filho e levou-o ao altar do sacrifício. Sua fé o fez dizer ao seu servo que esperasse pois ele e o menino voltariam logo; e quando Isaque perguntou sobre o cordeiro para o sacrifício, sua resposta foi: Deus proverá para si o cordeiro (Gn 22:8). Ele cria nas promessas que o Senhor lhe havia feito, por isso ficou conhecido como o Pai da fé.

No plano para trazer o homem de volta para si, Deus levantou Abraão para formar uma Nação diferente de todas as outras: o povo escolhido do qual hoje eu e você fazemos parte.

 

  

 

Fonte: Monte Sião

15\04\2016

2
nov

Governo de Deus – Parte 1

*Estudo para células referente aos dias 02/11 a 08/11

Recepção: Receba seus discípulos com alegria, conheça os visitantes, incentive a trazerem seus amigos para compartilharem desta comunhão.

Momento de oração: Ore e agradeça a Deus, abençoando aos presentes, suas famílias e os que faltaram. Ore pela cadeira vazia e incentive as crianças a trazerem seus amigos na próxima semana.

Princípio Bíblico: “E criou Deus o homem à sua imagem: à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou. E Deus os abençoou, e Deus lhes disse: Frutificai e multiplicai-vos, e enchei a terra, e sujeitai-a; e dominai sobre os peixes do mar e sobre as aves dos céus, e sobre todo o animal que se move sobre a terra.” Gênesis 1: 27,28

Mensagem:
No livro de Gênesis, no capítulo 1 diz que, no princípio, criou Deus os céus e a terra, mas a terra era sem forma e vazia. Imagine só como deveria ser estranho. Olhe ao seu redor, veja as árvores, os igarapés, o sol, e tente imaginar como deveria ser a terra no princípio de tudo. Não havia nada, não havia forma nenhuma.

Mas o Senhor, com muito cuidado, capricho, carinho, foi arrumando tudo. E, através da Sua palavra, foi criando todas as coisas que temos hoje: o sol, a lua, as estrelas, os mares, os rios, as árvores, os frutos, os animais de todas as espécies que conhecemos hoje e os que já foram extintos por causa da falta de sabedoria do homem etc.

E aí Deus fez a Sua melhor e mais importante criação: O homem.

Vamos ler o que diz Gênesis 2:7: “E formou o SENHOR Deus o homem do pó da terra, e soprou em suas narinas o fôlego da vida; e o homem foi feito alma vivente.”

Que coisa tremenda! O Senhor criou todas as outras coisas através da Sua palavra, mas o homem, Ele formou do pó da terra e recebeu, em suas narinas, o sopro de vida do próprio Deus. Isso não é fantástico? Não somos como os animais ou as plantas. Mas fomos criados por Deus, moldados por Ele, Suas mãos modelaram o barro, criando o que somos hoje.

Feche seus olhos e procure pensar nesse momento único em todo o Universo. Deus tomando o barro em Suas mãos e dando forma a ele, modelando a cabeça, os braços, pernas, coração, pulmão, olhos, boca… Deve ter sido uma cena muito linda, não é mesmo? Agora imagine o Senhor soprando a vida no nariz desse homem, o ar entrando em seus pulmões, e, quando ele abriu os olhos pela primeira vez viu a face do seu Criador.

Muito bem. A terra está arrumada, tudo está preparado para o bem-estar do homem, criado à imagem e semelhança de Deus. Todo o seu sustento, o alimento bom e farto, a água limpa e fresca, a chuva para regar a terra, o sol e a lua para iluminar, e até uma companheira para que esse homem não ficasse só. E agora? Quem iria cuidar de tudo o que Deus havia criado?

O Senhor disse ao homem e à mulher que eles fossem fecundos, multiplicassem, sujeitassem a terra e dominassem sobre todas as coisas. Em outras palavras, o homem deveria administrar, ter autoridade sobre todas as coisas. Ele era a imagem e a semelhança de Deus na terra, deveria, portanto, cuidar para que tudo o que Deus criou estivesse em perfeita ordem. Então, esse homem deveria governar sobre a terra, certo?

Vamos fazer uma comparação bem simples: Um pai tem uma grande fortuna, muitas casas, lojas, fazendas, contas bancárias, carros, barcos etc. Esse pai tem um filho. Quem é responsável por toda essa fortuna quando o pai morre ou se aposenta? Muito bem! O filho.

Deus entregou à Sua criação maravilhosa, chamada homem, toda a fortuna que Ele criou: a Terra. A missão desse homem, até hoje, é cuidar dessa Terra, para que ela esteja sempre em perfeitas condições, funcionando corretamente e produzindo tudo o que o homem precisa para viver bem. A missão do homem é, então, governar sobre a Terra, de forma eficiente, administrando bem os seus recursos, para que nada lhe falte.

Vamos refletir agora, em uma pergunta bem simples: Você acha que o homem cumpriu bem a missão que Deus deu a ele? Olhe ao seu redor, veja os rios poluídos, os animais em extinção, as árvores sendo derrubadas, a falta de alimento, isso sem falar das famílias destruídas, os filhos abandonados, os idosos sendo maltratados, as crianças que sofrem violência etc.

Estamos começando uma nova série de estudos, onde vamos ver, na história do homem, na história de Israel, como podemos destruir ou construir um povo próspero, como podemos governar essa terra debaixo da direção de Deus.

Fonte: Monte Sião

30\11\2015